2 de março de 2011

Donna Piscareli: A Senhora Tinto Brass










Situado na zona ao pé do monte, ele era o símbolo emblemático da noite parisiense cheio de ricas histórias ligadas à boêmio da cidade. É famoso pela inclusão no terraço do seu edifício de um grande moinho vermelho. No final da década, abriam estágios por dois anos na Cinémathèque, o que já servia de grande aprendizado até se tornarem ajudantes na Nouvelle Vague.


Na Búzios da Riviera Francesa, diante de uma mesa provençal após tanto beber vinho rosê em um tipo de Santa Ceia dos hippies chiques, deus inventou de criar as mulheres. No mínimo seria isso o que Brigitte diria ou então seria a princesa Diana se acabando de tanto dançar na única discoteca da cidade.

No abismo de um sonho, cabelos bufantes e roupas futuristas seduzem mulheres que dão a luz em meio a notáveis exemplos de fantasias modernistas evocadas pela memória luxuriosa e pura de suas visagens. Tanto o romantismo tragicômico dos novos turcos quanto o Cavaleiro da Grande Cruz eram conhecidos pelo estilo peculiar que fundia alucinações e imagens barrocas. 

Nos vilarejos da charmosa Itália no início dos anos 50 desinibidas famílias julianas estritamente católicas habitavam estes lugares. Desde pequenas, nas primeiras fases da puberdade, moças ingênuas sempre causavam alvoroço entre os homens, embora o que elas realmente queriam era apenas perder a virgindade com os seus noivos.

Na Veneza dos sonhadores e realizadores italianos, com o pseudônimo de Giovanna Brass, uma delas, a melhor discípula era mais conhecido pelos crimes sexuais que praticava. Na juventude, depois de La vacanza, La mia signora finalmente começa a trilhar firme em definitivo pelos caminhos eróticos em rumo seguro na direção a In capo al mondo!

Em um primeiro trabalho sexual realizador logo tratou de participar de uma orgia casual com a mais sublime interpretação digna de uma atriz pornô em um exemplar da Penthouse. La donna è una cosa meravigliosa! Mantendo sempre o cuidado em não misturar sexo com política, a água cristalina com a poluída, acabou se apaixonando por um homem puritano que conhecia a hipocrisia das famílias tradicionais, e assim permitiu-se constantemente beber gotas de sexo na fonte do viver durante o transcorre na escalada das trincheiras íntimas. 

Desde o Impotente existencialismo de Giuseppe Cirillo a safadeza moderna feminista das travessuras de Lucíola, José Alencar teria inveja. Pois agora, a antiga vila de pescadores teria se entregado ao estilo de vida hedonista. E esse sentimento, prenúncio do que estava por viver em conseqüentes transformações da atualidade é tanto que até o rabo do próprio deus Nero pegaria fogo de tanto despeito de seu cavalo após tantos anos tentarem se redimir os hebreus e o nosso Messias não enviado. Pois a Donna, de fato, era uma coisa meravigliosa!

Mais parecido com um documentário de faroeste, o filme da revolta, em meio a mais um spaghetti-western dos Yankees cuja palavra "falo" quanto mais era pronunciada mais se confundia com um verbo no presente ou o membro masculino ereto. Nonsense! Pois a chave deste enigma eram as cobras que se rastejavam em um maldito bar no deserto de Budapeste.

No amor de um guarda, Fermo posta Tinto Brass, mon amour! Então transgrida. Ação! Abordo de Paprika, Miranda, Monella, Salon Kitty, a perdida Sonia Henie e eu, o Calígula! Finalmente ou quem sabe, somente agora La nave va!


                                                                                                        
Ricardo Magno



1 Comentários:

Juh Salomé de Beauvoir disse...

"Um roteiro de intrigas
Prá Fellini filmar..."

Blá blá *ble bli...
Jé t´aime, mon´amour!